Dieta mediterrânica baixa o risco de deterioração cognitiva


Um estilo de vida saudável, nas suas várias vertentes, é uma boa maneira de combater variadas doenças, como alterações vasculares, cancro e demência. Uma das estratégias possíveis neste sentido é o seguimento de uma dieta mediterrânica (DiMe), como recentemente demostrado num estudo publicado na prestigiada revista Archives of Neurology.

Os autores desta iniciativa científica estudaram uma comunidade multi-étnica de Nova Iorque (EUA) e verificaram qual a associação entre a adesão a uma DiMe e o risco de desenvolver Défice Cognitivo Ligeiro (DCL, uma situação que pode preceder o aparecimento de Demência) e de conversão de DCL para Doença de Alzheimer (DA).

Verificou-se que as pessoas que seguiam a DiMe apresentaram um risco menor de 17-28% de desenvolver DCL e aquelas com DCL um risco 45-48% menor de desenvolverem DA, em relação às que não seguiam este tipo de alimentação.

Trata-se de mais uma prova e um estímulo para a realização de campanhas de sensibilização no sentido da promoção de uma dieta saudável, iniciativas que podem ter grande impacto futuro em termos de saúde pública, como será fácil de prever.

Artigo original: Scarmeas N, et al. Mediterranean diet and mild cognitive impairment. Archives of Neurology 2009;66:216-255.